Taqyyia II, continuação-Mialagres do corão

O livro começa afirmando que o corão é a palavra literal de DEUS... mas sabemos pelo que foi escrito antes que esse deus é o hubal-Baal, adorado em meca desde antes de Maomé, o que faz com que as primeiras palavras deste livro ja sejam mentirosas, ou melhor dizendo, ja façam o uso da TAQYYIA.

O relato chamado de "milagre do corão" que inicia o capítulo é sobre a formação mebrionária, com a  afirmativa de que não havia, na época de Maomé, nenhum relato ou conhecimento científico sobre as palavras que se referem ao embrião.

Vamos por partes:

Primeiro de tudo, para qualquer pessoa que saiba o mínimo de HISTÓRIA, essa afirmativa ja é uma mentira, e das grandes, e no melhor dos casos, ignorância pura!

Por que?... Para deixar claro  vou explicar...

Começaremos com Hipócrates. De acordo com a melhor evidência, ele nasceu na ilha da Grega de Cós em 460 a.C. Suas fases estão como seguem com a referência no texto.

ESTÁGIOS DO DESENVOLVIMENTO PRÉ-NATAL DE ACORDO COM HIPÓCRATES

 

FASE 1. esperma

      

       FASE 2. o sangue da mãe desce em volta da membrana

 

               FASE 3. carne, alimentada através do cordão umbilical

 

                       FASE 4. ossos

 

Claramente o gráfico mostra que 1000 anos antes do Alcorão o desenvolvimento do embrião já foi dividido em estágios.

ARISTÓTELES

Em seguida, vamos dar uma olhada em Aristóteles. Em seu livro Na Geração dos Animais (tradução livre), [26] nalgum momento por volta de 350 a.C., Aristóteles deu seus estágios da embriologia. (O número das seções estão no texto)

Sêmen e o sangue menstrual

Nesta seção, 728a, Aristóteles fala do sêmen do macho como sendo de um estado puro... O que ele diz é que o sêmen coagula o sangue menstrual.

Ele diz, “a natureza forma do material mais puro da carne... e do resíduos gera ossos, nervos, cabelo e também unhas... e por último, em volta dos ossos, e agarrado a eles por bandagens de fibras bem finas, crescem as partes de carne...”654b.

Claramente o corão segue a isto exatamente, o esperma coagulando o sangue menstrual que forma carne. Então os ossos são formados e por ultimo “em volta dos ossos... crescem as partes de carne”

EM SEGUIDA, PODEMOS CONSIDERAR A MEDICINA INDIANA

A opinião de Charaka (123 d.C.) e Susrata é que tanto o macho quanto a fêmea contribuem com sementes. A “secreção” do macho é chamada de sukra (sêmen)...

A “secreção” da mulher é chamada de artava ou sonita (sangue) e é originada da comida através do caminho do sangue...”[27]

Aqui vemos que na medicina da Índia eles também têm a idéia de que a criança foi formada da semente do macho e do sangue menstruado da fêmea.

lembrem-se da proximidade de Meca com a India, e de que meca era tambem sagrada para os indianos que tambem circundavam zam zam.

 

AGORA PODEMOS CONFERIR GALENO

Galeno nasceu em 131 d.C. em Pergamum (a moderna Bergama, na Turquia).

Nosso conhecimento de seu livro, De Semine, depende de dois manuscritos gregos do séculos XV e XVI e de duas cópias Árabes do século XII e XIII de uma mesma tradução feita aproximadamente em 840 d.C., i.e., 700 anos após Galeno ter vivido. A obra de Galeno foi considerada tão importante que cópias continuaram sendo feitas no ano 1500. Apesar de as cópias Árabes refletirem uma tradução feita 700 anos após a vida de Galeno, ninguém duvida de sua exatidão essencial.

Menciono isto porque em comparação conosco Cristãos, temos 75% do Evangelho do Novo Testamento Grego em cópias em papiros de cerca de 150 anos após Cristo ser elevado ao Céu, e temos duas cópias gregas completas do ano 350. Por esta razão, não há razão para duvidas da exatidão da essência do Evangelho do Novo Testamento, também. Ele não foi alterado.

 

FASES DO DESENVOLVIMENTO PRÉ-NATAL DE GALENO

 

FASE 1. Os dois semens

 

        FASE 1b. adicional ao sangue menstrual

 

                   FASE 2. carne sem forma

 

                            FASE 3. ossos

 

                                    FASE 3b. carne cresce em volta de todos os ossos

Agora devemos questionarmos sobre qual foi o clima político, econômico e médico na Arábia nos tempos do Mahamed.

Do Hadramaut no Yemen, as caravanas de comércio de especiarias passaram ao norte através de Mecca e Medina e então alcançaram toda a Europa.

No norte Árabe, em cerca de 500 d.C., os Ghassanides dominaram e por volta de 528 dos Ghassan controlaram o deserto Sírio até os limites de Yathrib (Medina). Síriaco (uma forma de Aramaico, relacionado ao Árabe) foi seu idioma oficial.

Tão cedo quanto 463 d.C., os Judeus traduziram a Torá e o Antigo Testamento do língua Hebraica para o Siríaco. (O Museu Britânico tem uma cópia) Este feito esteve disponível para o Ghassam, que foram Cristãos e para as tribos de Judeus da Arábia, porque seus membros não sabiam o Hebraico.

Durante este tempo, Sergius al-ras Ayni (morto em Constantinopla em 536), um do mais antigos e maiores tradutores do Grego para o Siríaco (Aramaico), traduziu várias obras da medicina, incluindo os 26 livros das obras de Galeno para o Siríaco. Isto os fez acessíveis para os Reino do Khosru I e para as tribos Ghassam, os quais influenciaram até as fronteiras de Medina.

Khosru I, (em Árabe, Kisra) Rei da Pérsia entre 531-579, foi conhecido como Khosru o Grande. Seus soldados conquistaram áreas tão distantes para além do Iêmen. Ele também amou o aprendizado e fundou diversas escolas.

“A escola de Jundi-Shapur veio a ser, durante o longo reinado de 48 anos de Khosru I, o maior centro intelectual daquela época. Dentro daquelas paredes estavam Gregos, Judeus, Nestorianos, Persas e Hindus, pensamentos e experiência eram livremente trocados entre eles.

Harith ben Kalada estudou medicina em Jandi-Shapur e Mohamed deve a Harith uma parte de seu conhecimento médico. Deste modo, com um tão bom quanto o outro, nós facilmente reconhecemos os traços dos Gregos (da medicina).”[32]

“Algumas vezes Mohamed tratou de enfermidades, mas em casos mais difíceis ele pode ter enviado pacientes para Harith.”[33]

Outra pessoa instruída próxima a Mohamed foi Nadr ben Harith – não relacionado ao doutor. Ele foi um Curaixita e primo de Mohamed e também visitou a corte de Khosru. Ele teria aprendido Persa e música, a qual ele apresentou aos Curaixitas em Mecca.

Porém, ele não foi simpatizante  de Mohamed, zombando de algumas histórias do Alcorão. “Mohamed nunca perdoou-o por isto, e quando ele foi feito prisioneiro na Batalha de Badr, ele fez causa para que fosse posto à morte

Em síntese, vemos que

(1) Árabes vivendo em Mecca e Medina em 600 d.C. tiveram relacionamentos políticos e econômicos com pessoas da Etiópia, Iêmen e Bizâncio, i.e., a atual Turquia.

(2) Um primo de Mohamed conhecia Persa bem o bastante para ter seus estudos musicais nessa língua.

(3) A tribo Ghassan, que dominou o deserto Sírio até os portões de Medina, usou o Siríaco – uma das principais línguas usadas para ensinar medicina em Jundi-Shapur – como sua língua oficial.

(4) Um rei doente do Iêmen veio a Ta’if consultar com o médico Harith ben Kalada, o qual foi treinado em Jundi-Shapur – a melhor escola de medicina em todo mundo – e para quem Mohamed algumas vezes enviou pacientes.

(5) Durante a vida de Mohamed uma nova escola médica foi estabelecida em Alexandria usando os XVI livros de Galeno como seus textos.

Tudo isto mostra que houve uma ampla oportunidade para Mohamed e seu povo mais próximo de terem ouvido as teorias embriológicas de Aristóteles, Hipócrates e Galeno, quando ele procuraram tratamento com Harith ben Kalada e outros doutores locais, logo a afirmação de que  na epoca de mohammad não tinha como esses conhecimentos cientificos  não existiam é falsa, TAQYYIA

Leia mais sobre este e outros assuntos no site:

http://answering-islam.org/portugues/mohamed/outrodeus2.html